Sonhalidade

"A equivalência entre sonho e realidade está na medida de cada pé. Uma vez calçados uns se apequenam e abrem espaço, tiram uma folga com a própria cara, enquanto outros se inflam fazendo tudo chegar num aperto. 
A diferença dos passos mais vagarosos e dos mais acelerados... Ah! entre sonho e realidade, há também a inconsequência de se andar descalço, por vezes, até flutuar".
                                                                                                                     
Araújo Rodriguez

5 por 1/6

‎5 sentidos
Por amor, me vazio: T_A_O
Por graça, se Há,..... _E_M _
1/6 de nós

Se vá

Viver não seja manter-se contido, nem colecionar conteúdo. Viver se vá com tudo.

Por onde se leva a poesia, 
e a quem a escute,

me diga se há poeta ou poetisa, 
diga-me,
se há ou não há engano:

em dizer quem é o dono, 
do que será ou do que 
foi feito, do amanhã ou de ontem.

Isso apenas se vive, não se discute. 

Irás doce

Se você 
puder 
se 
aproximar,
ainda que por 
insensatez,

desses 
olhos
apenas 
o bastante 
a ponto de ver 
apenas um 
de cada vez

a cada outra 
chance
Jamais 
hesitará 
em fazê-lo
outra vez

É que estar 
a esse ponto
 cor & íris do ser

frente à luz e ao escuro, 
nos tira algo,
a fim de reaver

o tato e derrubam-se 
os murros da língua
e as pálpebras
ardem até encolher
para o doce
e que só o lábio
é sagaz em escolher


Silêncio

‎"Faça um bem à vida, quando alguém disser uma coisa bonita... beije e não diga mais nada".

Pedra, papel, tesouro

"se eu te peço: rabisca 
nesta folha com uma pedra... 
você incrédulo desconfia de minha sanidade. 

Contudo, se alguém embrulha-la no papel e ameaça arremessa-la, 
você talvez, sem vê-lo neste feitio, 
aceite o que parece brincadeira,

 mas o que se fará 
desta pessoa e da sua cara? 

O que faremos nós de nossas vidas 
conjugando-a nessa brutal parcialidade?"

De já vir

Não, será possível
                             já que - o medo é o prenúncio do que estou farto
Não, será possível
                             já que - essa inconsequência é o desvio, pelo qual e para que sou tomado de arrasto
Não, será possível
                             já que - aquilo que vejo, em quem olho, pode ser a ilusão do somente "eu"

Não, será possível
                             já que - tudo que ouço, em ti, não é eco e sim os ruídos de outros mundos
Não, será possível
                             já que - sentir-se leve, foi o primeiro passo para não se importar mais com as coisas
Não, será possível
                             já que - apreender é desaprender a antever as chegadas, cultivar as despedidas


Não, será possível
                             já que - prepara em mim o exitar
Não, será possível
                             já que - atiça em mim um outro nexo
Não, será possível
                             já que - lança-me ao desassossego




Não, será possível
                             já que - esse esbarrão só coube a nós perceber
Não, será possível
                             já que - dizes pra mim algo a mais,  quando estás em silêncio
Não, será possível

                             já que -silenciar faz transbordar o que já não cabe em si
 Não, será possível
                              já que - todos estes nossos "não"s sedimentam algo infalível


Não, será possível
                             já que as vírgulas fazem minha a tua respiração.

Não deixar de respirar, mas se deixar perder a respiração ...

          será possível permitir a diferença entrar até chegar o impossível,

                                              é mínimo de já  para quem quer ter feito daqueles que somos uma afirmação.
         

X encontro (Novela visual)

                                                                               

                                                                                                                             o tempo é um invenç ...
                                                                                     21:05

                                                           ão                                                                                                ão


                         ão                                             ão                                            ão


                                                                                       X


                                                         ão                                                                 ão

                                                                                        ão                                                              ão
                                              ão  


                                                                                    22:05

            chegar 1o
                                                                                  é quest

                                                                                       de
                                                                                                                           1 em cada
                                                                               dez encontros


o valor é uma invenç ...



                                                           ão                                                                                                ão


                         ão                                             ão                                            ão


                                                                                       0,10


                                                         ão                                                                 ão

                                                                                        ão                                                              ão



                                              ão  



                                                        porém, se não se sabe ao certo dosar




                                                           ão                                                                                                ão


                         ão                                             ão                                            ão


                                                                                       M


                                                         ão                                                                 ão

                                                                                        ão                                                              ão

                                              ão  


     a riscar
                                                                       é o melhor método




                                              ão                                                                                                ão


                         ão                                             ão                                            ão


                                                                                       N


                                                         ão                                                                 ão

                                                                                        ão                                                              ão

                                              ão  





para a invenç ...                                                                                                                                             



                                                               ão                                          ão
                                                                                      ão

                                                      ão                              X                          ão

                                                        ão                                                       ão

                                                                    ão                                     ão



                                                                                    ão  




                                                já que pra se amar não há ganhos nem perdiç ...




                                                                       o                          o
                                                                                     o
                                                              o                                             o

                                                             o                     Ã?                    o

                                                                      o                            o

                                                                                     o  


                                                                                     in
                                                                                      i
                                                                                    cio


                                                                               o              o
                                                                                       o
                                                                        o                           o
                                                                           o         Ã?        o
                                                                                o          o
                                                                                      o


                                                                                   sim,

                                                                     algo a ser desprendido


                                                                             no sentido
           
                                                                       
                                                                            plano de sua



                                                                               colisão














Quando ir

Você,
           você mesmo, a quem essa presença minha incomoda.
                                                            Não gaste sua prosa, sou arco-íris:
                                                                                                                  eu passo...



Jamais (para D.Duran)

esse silêncio 
que  recolho
é a dobra 
de um tempo

até a duração 
de certas palavras, 
como que lançadas ao mesmo,

a quem talvez me dirijo,
já que de mim, que sou carne
e em breve, pó, viajar ao 
largo de mim é um só "aceite".

há: "entre",

jamais estive tão só
na multidão do que me cerca

qualquer respiração
mais longa,
da cabeça um leve 
aceno,
me desconcerta

encontra aqui ao ar livre
papel e tinta, porta aberta...
tão somente... no
tempo acolhido
por azar ou de um acaso
desse alerta

espero, espere, espera

desta dança, o que dela faço
um passo
à braço
colidindo sem disperdício 
com essa escrita...inofensiva,
aproveito: a melhor parte,
com esse seu riso.

Equilibrilho

Há os que 
sabem 
brincar.
para o resto,
a quem não caiba um 
bom paladar,
tem a seriedade  
inútil, 
a que jamais 
os deixará
margem
para dúvidas.


Perfil de Espelhos



no começo 
era a som
e sim, 
soava límpido
|águas


nos sonhos
foram contos
brilhos soltos
dos encantos
|metais


no meio
foi a sopro
e não se
afastava o perfume
|brisa

no fim 
é o seu olhar
perfil talvez
em relance
|pupilas

entre tudo
esses reflexos em vidros
capturas totais 
para verdades, 
|apenas eventuais

Passeante


 .........................................O coração 
....................... que                       pulsa 
.....................tal                                  relâmpago
.................. faz                      .                 daquele 
..................... que                                  circular
........................... um tal                passeante
..................................... em chuva

Aspas, Harpas


Enquanto "ouvir é crer que alguém disse",
"escutar é fazer-se alguém no que se diz".

(El {sueño} [és su] hugar)


{ [afasta ainda mais longamente]
 (se desvía más ampliamente)

[o apreço de teu olhar,]
(apreciación de su aspecto)

[enquanto mãos por sobre fios visíveis]
(mientras las manos a través de alambres visibles)

[...elas fiquem a vagar...]
(...se quedan a vagar...)

[aproximando diversos sentidos]
(acercarse a los diversos sentidos)

(ar 
ainda 
perto do pensado)


[aire
todavía
cerca de pensamiento]


(mimetiza outro
sono, acordado
colorido)

[imita otro
sueño, despierto
vistoso]

[pela pele
sombra
sela
pelos cílios]

(la piel

sombra
silla de montar

por los cilios)

(...se julguem dizer...)
[si julgem decir]

[em abertura, incerta, alguns olhos 
sabiamente e sem hesitação]

(En la apertura, inciertos, algunos ojos
con prudencia y sin vacilación)

[ficam por cima do outro a vacilar]
(están por encima de la otra a fallar)

El sueño és su hugar}
                         

Lábio, astro - coração obsoleto

Quando no peito 
em mim sinto
decerto sem ego

me prego com esse jeito. Cego, de certo 

e um ai, dessa pontada, já se desatina
Em quanto sem norte, gira 
em meu tórax, assim?

Talvez por sorte, só  
o fôlego, do seu jeito
e por isso a fração 

de Você. Em mim: 

o que era
no que éramos, 
buscanto no fio de um fito,
ainda labirinto

Há uma hora, a todo momento

Metade do meio por onde anda o vento
é onde te vejo
outra é a metade que sopra, dentes,
mil leões colidem na cor de teus cílios

Metade do a esmo é curva, que aceita
Outra, o mesmo da reta 
nos sonhos se turva
e realmente busco a torto e a direita

Metade é tarde
Outra é: me invade 
a passagem do dia,
o mais breve possível

Metade de tudo se dá
quando já é bem tarde
outra de nada vale
se não vier, pra comigo amanhecer

ficar meio sem melodia, surdez
da Metade é eco, ilusão
outra, a mentira 
no impossível diapasão 

Metade parte pesada
outra disparate 
abre o por onde 
atingir


pressentir embora, 
jamais quisesse
outra, se desfez ancorada
há uma hora, a todo momento e já se ir


Metade da covardia,
é que ninguém vive metade
se fizer da outra parte
alegria





As Long As It's Not About Love - DIO (portuguese version)

Dali em diante, ao acaso de um olhar
Intensamente se fez num coração
O encanto que fez temer meu coração


Então, se deite e me engane ainda mais
e mentir,
mas jamais... Brincar

Não importa, se for por amor

Se amanheceu e o mundo acabou
Não se esqueça de não olhar pra trás
Se num relance sentir e pensar irão rimar...


Me beije e engane ainda mais
pois mentir,
jamais...

Importa, se for por amor?


Foi tão breve, o cruzar desse olhar
O feitiço pulsa, mais forte ao coração
Como fugir levando isso aqui dentro?

Então, se deite e me engane ainda mais
e mentir,
pra jamais...

Importar, se for por amor!

Amanheceu e o mundo acabou
Pois nada resta
meu coração
pode leva-lo,

Cansei de ouvir as mentiras do amor.

Ooh!

Se esse encanto se aproxima
nos afastando pra outro alguém
se escapar de mim, eu sei...

De repente, assim funciona o amor.











AR - Para Amanda Richard

Quando eu 
passo o 
ouvido
sobre 
o abdome do não
os barulhos do mundo
são: "vir", "ser",
"ais" de meu canto 
vibrando das curvas
o espanto
a canção 

nas cordas da voz
cruzo as pernas 
pro espaço.
Cai aqui em 
meu regaço ...
a palavra: jamais
já mais do que tive
entretanto, se vive 
bulindo do riso
com um grito
desses
que vieram 
doutros recantos 

Quando 
eu passo
em você 
minha lábia
fica essa nódoa 
depois da névoa
dos encantos
minha marca 
no copo
por um lábio, 
sou pólvora

Quando passo
Para quê?
é que toco, se passo  
a luz e a noite
entorto, 
o "sim" do querer
a voz na cor 
da manhã 
sem cansaço
a que veio depois, 
pra dizer

que te deixei 
pra lá 
rouca das loucuras
sem medo 
do fazer e do como
de partir 
o violão
parindo nosso sono
sã da paixão
despedaço
mas ainda é 
bem cedo
se é a vida 
que abraço




menos a fome (AR)

vê?
hoje
a fome
não só
a fome
não acaba
como a fome
há de consumir
já qualquer bicho
ou planta, criança,
mulher, merda, homem
a fome com fome se se
confronta e jamais some:
abra a boca para nela entrar
mais fome! consome a fome, não!
acabar com a fome seria olhar para
quem some: bicho ou planta, mulher
criança, homem. Uma pedra? foi posta.

onde?


já,  estive  ali,
já?  nela,  a vi:
quem sabe, diz:
seja amanhã!


+ ninguém tira mais dali + pode
+ ninguém vira   + alguém chora
+ ninguém verá  + alguém roncou
+ ninguém virá  + alguém pra quê?
+ não se revira +  na pedra + não
+ mais de fome + não pede + nada

não + isso se foi

ontem...


                                                                        Araújo Rodriguez




Mala sem alça (Heterônimo AR)


O que tenho em minha mala?

o poeta,
querem?!...

não tem alça,
já alçou vôos solos
tem chão e arrasto
de asas partidas


urrando com palavras
soltas, num sei pra quê
aleijado
na velocidade do temível

lampejo


quando
o obvio... álcool,
mesmo repaginado,
e barato,
incinerante,

fere a fogo
o rosto
dos senhores?

furando
novos buracos
e rasgos
inimaginados, desce...

Querem.

quando
horrores sem comoção
são poesia,
o poeta...

cospe a frio
o colo
das senhoras?


Ainda, querem?
como, querem?
entre tanto

o poeta
não é pra quem merece!
ele!!! é quem se merece.

tê-lo
um poeta, uma criança, um poema...
tantos reconhecem
quantos sejam
se
a hora
pousa,
e quando
desconforta: saem!...

pois se: sua, assoa, esbarra, mija, caga, suja, vomita, choca, fede, pisa
hora?! se afastam?...

poeta xinga poeta,
poeta trai poeta,
poeta come poeta,
sei que sou fútil...
meus amigos,
poeta cria fastio.


poeta

cansa,

 afinal, porra!
quem aguenta essa vida inteira inútil?

nada, de poetas
enquanto vocês
querem tudo...
maltrapilho
o que vocês
não pedem

meu papel,
o valor e o teor
dessa coceira, só se mede
pelo pavor,
mesmo...
de se reconhece-la
no espelho
interior da indiferença

quando o poeta te saúda?
quem se disse poeta?
poesia é alguma outra coisa,
a mala está pronta
às vésperas de alguma doença


                           Araújo Rodriguez















Where is weather ? (Para Beth Pacheco)




"where is"
 ............. Aquide livre estou, tudo
 ................ no derradeiro, pronto, pausa
 ................. Aqui por, nem tudo, a passagem
 ................. haver sido, que é livre, deixa
 ............. Aqui, é onde se, entrar
......... Aqui, foi, um fim

no desusado
no desfecho
no desfiro
no defeito
no delírio
no-muito

murcho

A quis 
"weather"

pó só



um, teempresto

precisocheirar, 

pra ter,

precisocheirar

pra ter
o quantopreciso!cheirar

pra teroquantoestavidamedeserta


preciso...preciso...merda!


cheirarpra teresta vidade cheirar pó,pra, ser, melhor,que, a precisão
deste chão, Shhhhhhhh!


pó.

Soneto roubado


..............  , tomaste o lugar. E a asa
daquela certeza vazia a vagar
agora vazia daquele ouro, me arrasa,
carregado por mil vezes, devagar

nada resta, mesmo. Nada a arriscar
nas armadilhas, p´ra a distância que de 
mim se via. A dura ação de ti, Leve.
 Faltava algo na agonia a trilhar  

e essa coisa doía, mas não era nada ...
ai! naquilo só, a via,  eu a quisera: cara
mas em si, vê-la, como atesto: muda 

nem mesmo se restasse mil a devolver
ainda uma ingrata verdade, por tão pouco...
de nada.  Apenas coração oco.  
 ra sofrer              















Na Cia dos Desertores


o deserto, aberto
nessa areia, encerre 
o incerto 


nessa hora esfria, noutra hora se incendeia
abandona aos pés a sombra em
Sol a pino e Lua Cheia


minha sombra
encerra-me numa gaiola.
caminha sombra!


ordeno.
inutilmente...
esgotado do medonho cerco


Na cia dessa sombra
agora mesmo
o que me sobra?


Dunas de alpiste 
do pão, mínguo, na algibeira
e a água? sorriste...


Só com o suor, dele a sombra se alimenta
horas circundam, futilmente
Só com o arrepio, dele a sombra se enfeita


pássaros mortos, 
chão, agora vejo:
destroços miram meus ossos


por debaixo da pele, ardente
na superfície de mim mesmo
desfazendo-se em escuridão, ausente


o espirito vaga
a sede afasta
uma alma da chaga


Anseiam miscigenados na areia
desertores da existência
...e a vida insiste, o dedo em riste? apontaria


a sombra sorria
sob a nuvem, caçoam os ventos
é o que contariam


inábil atravessa ou teu sonho pereça
















Papillon (para Michele Abreu)

A vida, à distância de um piscar de olhos.
Com passos sustenta o coração, em meio aos ossos.
Pisa por sobre o medo,  um abismo inteiro no peito
guardado. E a estes que de algum jeito ouvem cedo,


Pois não evitam o movimento, calados
rangem a ponte, cospem no sono, cansados.
Balançando-se ao sabor da brisa ou da tempestade,
enquanto a morte, verte em seu ventre a proximidade.

Segura na distração de uma cor, um buquê em flores, cintilante
a borboleta por segundos, há pouco a vi,  e já desencaminha...
O instante, do inclinar-se pela força do espaço, esvoaçante 
 ensina a verdade da queda, sem esconder o que se avizinha. 

Diz-se no rangido equilibrado, incrédulo, arrastado: cale! 
Tal vida e morte nos tocam numa só direção, há ribanceira.
Mudar, para durar tão pouco, por certo um dia, de quê vale?
Suspira e ao sentir o leve toque, desconcerto da faceira! 

Debruçada por sobre um sonho, assim pousada no ombro,
acolhe o impreciso, já que tudo que é breve mente, na decisão
Faça-se em nuvem um casulo cujo sentido seja nosso assombro.
és ti muda, noviça, sossega, o que resta? dá tua mão...





















Leve esboço ((καιρός)) (para Cris Rocha)



breve estarás
na beira de nós
seguindo pelo deslizar
na grama vasta
e o tempo se fará casca
da noz, 
partindo com desejo
o "abrindo-se" 
em Kairós

Abecedário da dança (para Jô Conti)

A cada hora, sussurrar ao ouvido
madrugando em si uma letra que seja
Bela a um coro de sonhos, motivo
para esquecer o real que se almeja


Conduzir a substância do presente
para o corpo que se balança
Despertar de quem não cobra o ausente
e sim delira junto uma outra dança


Escolhidos os passos entre pétalas e espinhos
lançá-los ao longe, só grama
Fique simplesmente aos pés descalços, despidos
no pulsar do coração de quem ama


Girando para 24 sentidos de gravitação
colidindo: sonhos, realidade e imaginário
Haverá 365 dias num calendário
ao menos sobre 1 a cada 4 anos para a invenção 


Incêndio nos andares abaixo, estilhaçam desejos
capaz de por em tais tons de cinza e negro
Jamais outros, em rascunhos, cobiçariam realizá-lo
desobedecendo tantos outros planos
KundaliniKm, Kg, que seriam? se agora mesmo
nesse inventário de caos e harmonia


Libertar-se das amarras é estar vivo para com alegria


alimentar o tecido da música em solfejo
Minutos a mais em vida se ganham


nessa partitura que encanta, com fome e esbraveja


Negar a fé cega no óbvio, para não se ter mais certeza 
se seremos aos deuses o que um macaco, num realejo, é ao humano    


Ouvir ainda isso ou outra oitava do sopro, vertigem 
 queda, que nos definiria como profanos
Paixão que, na desequilibrada cobiça é a miragem
mas tem sede real e a chama, sem enganos 


Quiçá, faz nascer no solo algo que ama
por baixo e acima de si,  fugir cristalina da artimanha
Redefinir o eixo, o solo, o céu, a terra num rosto 
colidir os olhares, no realizado agora posto


Som de mais 7 horas ressurgidas no poema, assim
ou seriam 7 minutos, 7 segundos apenas?
 por 8 multiplicado, 48 horas, de mim e de ti 
o quê fechado nosso olhar encena?


Tímidas, as palavras entre arte e órbitas agitadiças


Usurpam da


Voz a cadência, eletrizadas em 


Watts ainda, agitam-se


Xingam! em língua tupi-guarani ou
ainda humanos 
Yanomami, 
Zumbindo por vezes, em espírito, tons estranhos do açoite: 
sombras de nós, à meia-noite.


Contudo se o sopro, não passar despercebido, tornado coisa vã   
Cante pra nós, essa estrelada manhã?