Necessátiras ::: eu quero? eu posso? eu devo? :::






São só três perguntas, 
para se mostrar o desnecessário?


Antes, preferível fosse
uma via de questões
Necessátiras


 "eu quero?",


se perguntaria 
a cabeça do prego
para o martelo


quando sabemos que seu apoio 
se sustenta 
na verdade com aqueles dedos em risco, cerrados & soltos


o que o [nos] prende a um certo desejo 
seria o impulso nascido dele mesmo
ou dos outros?


"eu posso?"  


se pergunta o parafuso
ao se afundar que nem um louco
no girar sobre si mesmo


torcer pra conseguir
não é mesmo que se ver
torcido pelo impossível 


a ponto de, de um modo irreversível
ficar muito apertado
se sentindo um tonto


"eu devo?"


se pergunta o fósforo
ao que surge em sua frente
correndo riscos que inflamam


seu tempo vai correndo
enquanto a chama 
que dele acende, o consome


concederia a ele 
"dead matchstick walking"
um último pedido
depois ou agora, enquanto não some?


o desejo morre quando se concretiza
ou nos mata enquanto se dissipa o calendário ?

São só três perguntas, 
o que basta em nosso inventário.

A queda do amor (Regaço, cabaço, bagaço)



                                                               não basta ao seu bastião 


o decaído


ri e grita, 
                   enquanto o ódio devora-se em amor pela escuridão


morde e chora, 
                   aonde as sombras conduzem 
                   ao esconderem seu rangido na devassidão


sangra e se enamora, 
                   para que se abram as janelas em chamas...
                   sinais da fumaça, o espaço interno que se expande
                                
                   fruição
                   me diz esse nome, teu nome, outro nome
                 


onde se meteu
o paraíso?




                         pára isso, pára isso, pára isso,
 para isso


se
perder & arder
                         no inferno, as coisas  são mais doces e 
                         nisso de tão gordas 
                         se arrastam
pesadume    
                        no inferno, as coisas são mais entristecidas
                        nisso por tamanhas dores 
                        se afastam


presumir os atalhos
                         no inferno, as coisas são mais destrutivas
                         nesse instante cego
                         mimetizam
cobiçam
                        a surdez
                         me convide ao teu regaço
                         rompe o cabaço,  indiferença


 espreme e roça até o esperma
                          emana o calor  
                         de pessoa ao bagaço,
                         como recompensa
                         perdidos pensamentos


justifique a redenção
                          na dualidade 
se alguém é capaz de abandonar
                          os fragmentos 
                          


                          reina pleno
                          mudo
                          em descontentamento
                           lambendo a ferida 
                          do mundo
frente a 
                            ao penúltimo momento


                                                                                      a  cria
                                                             ção


                            essa luz diferida
                            amor ainda vívido
                                    unindo
                              o que o nefasto 
                           presumiu em separação

especiarias

disse o si, numa espécie de relance:


"a reencarnação é a reencantação"


da vida quando cansou de só ser verdade


da vida quando cansou de só ser metade


da vida quando cansou de si ser sem beira


da vida quando cansou


cansou de cansar da certeza, da felicidade muda, da mesma asneira


torta sem cereja,


e foi conhecer as cerejeiras


reencarnar foi a dúvida, do pote de conservas


reencantando-se sem reservas


daquilo que não se dispensa


na vida não se hospeda


apenas e se...


despede


das sentenças

concreto

concreto
meio 
sem tempo
método: de plano, nível e emparedamento


falsa


a palavra
voa ao vento
a folha 
voa ao vento
o cuspe
voa ao vento


fala


concreto
é apenas cimento?
noutro
concreto momento
pode ser um impacto
limpo, água
sujo, pedra
escasso, areia


desafiando o tempo


do passivo ao ativo
do manso ao violento
do cobiçado ao desprendimento


se afasta


e ainda 
mais
lento
o peso do sonho
como o sustento de um sopro
do  pó


falsa


a palavra
a folha
o cuspe


são as escadas
para 
na sua cara
atingir
esse acontecimento


vem de onde, vem como e vem quando?
na dosagem de cada elemento


da palavra, de papel e do cuspe
que nascem: c o n c r e t a m e n t e
de algum esquecimento