Sombra tempo na noite (para Luiz Jorge e Beth à la Francis Ponge)

     ando                                                                                             há    Sim                   de estroff
                                                                                            (...)
        ando
                                                                   aSSim

     

                                                  tem
       Sombra
                   uando
                                             tem
            Sombra 

                                 uando     t
                                                  em    
                                 Q  
                                     (uan)
                                               
                                            tonto


                                                                                                    (fim?)                                                         
                                                                                                   
                                                                                  tem       
                                                                                                       pO       
                                                                                                         
                                                                     tem                                que se ir
                                                         sS        


                                        per di
                                                                indo                                            
                                                            O
                                                                                                                                                                                          
                              assim                                     
                                                           L          


                                          se          
                      ir                                             indo     
                                          -
                       chega         
                                 
      and









"assim, por muito tempo, eu escrevi no deserto sem ter resposta alguma.
Para mim, durou mais ou menos vinte anos o deserto, uma espécie
de eternidade, dá no mesmo. Pensando bem, se eu escrevia, levava tão estritamente
em conta as palavras, era para chegar a essa qualidade, e não é de admirar que isso precisasse de tempo
para ser reconhecido: é preciso muita experiência para reconhecer
que uma coisa é valida, que é
válida uma vez,
duas vezes,
três vezes.
Na terceira ou na quarta vez pensamos:
deve ter algo de válido."

 (Francis Ponge, Métodos, pág. 100; RJ: Imago 1997)

maturidade

Gostos
nos gêneros escolhidos
podem ser "o" ou ser "a" 
tanto que ainda 
ainda nos bons de roer
neles ser até osso,
poderá?
pra quê censurar?

Rostos
 podem ser
de gente
cara
a que for mais cara
podem ser um nicho
de capitalização
(des) mascarados
de bicho de ave 
e ainda
 paisagem
a mais rara
beleza e feiúra
multidão
e até foto de fato
mas 3x4: não!

Corpos 
podem se comer 
se expandir
se exprimir
 se imprensar
manter-se em inércia

só não peça

seja do gosto seja de rosto seja no corpo
pra ser sempre o que era




Sem palavras

Destruir palavras para quê,
se eu posso comê-las tão zen?


 se alguém poderia dizer do amor
que se diga sem palavras, recitando em corpo: Aleluia! Amém


Triturar nossa verboragia com verbofagia
 e ademais, numa oitava vibrante, c o m a l e t r o f a g i a
conduzido a uma distância instante
que fale por nós (em offset) do que interessa dizer


mor sem "a"
 parece nos levar ao inusitado:  a algo maior por fazer
entrar e sair do menu do "ABC"


Buscar sem jamais rebuscar na voz
saber que mesmo que se "erre"
não há cartilhas p´ra se aprender...
embora o amo sem "r" instigue a um amar saber
e torne tudo tão autêntico e presente, cá entre nós

a or sem "m"
é a fusão com metais, uma trilha sonora e intensa,
gema, gente, urgência
não essa que entretém e sim a que nos toma, sacode
que faz cheirar, faz fuder, faz ser manso impetuosamente


Mas e se tirassem outras dela?



am sem "or" é quase um pedido
de tradução de texto
ou de indefinição para William Shakespear
ou melhor, é a confissão do incondicional
que entre "mais" ou "menos" ou "mesmo?"
seja, pela força do ser,
traduzido ao cuspir

a r sem "mo" é já tanto sem morada
que é sem lenço e nem documento
arejar a vida pelo desejo de libertá-la


ainda que, convenhamos,  o "mo" sozinho,
seja o mais simples fluir do ar por si mesmo
reinante naquele íntimo chamamento, 
de retornar para uma casa moderada, teu corpo, meu corpo, nosso intento

Será que essa trajetória precisaria acabar
em casamento?
Não basta arruinar as palavras ao "desletrá-las"
precisaríamos ser nas letras ainda, menos contenção,
mais transbordamento
seja sem teto ou entocado
ruidoso invento