Pássaro do será isso

ei pássaro não será isso?
ao invés da janela
ui, com qual se esbarraria
ai! prefere rei a tua boca

canta contigo contido um cantado
fode a monarquia

oi uma pane
voando com uma pena
seu sangue correndo
o tempo anuviando...nuvens descendo subindo crescendo decerto sumindo

ou pra que pernas se ame se pasmem as perdas
insensibilizando se sinta a gangrena

ei pássaro não será isso?
aparar o reparo da cena
Xi... sarar a dor com mais doença
deixar a dália como asa do palco

peça outra
persecutória pocilga
afunde o teatro improvável da crença

ei pássaro não será isso?
Ou eis forço o foco fazido
Ea ea assobio de dedos com um bico que ame o que lia
teclados na mesa do sopro da míngua

xinga a chance de chamar a chaleira
queira a língua e mente p’ra Amélia

ei pássaro não será isso?
Ui o gostoso no travessão canhoto
Ai alheio ao alento do choque mais belo
estoura o olho com a vizinha quando se depara com a dança

Atravanca a trança pela tranca da porta
Rapumsel já derrubou o castelo

o pássaro quis conquistar um paraíso
Mas Creonte navegava numa empresa capital
ah! Isso! é desvio atalhado no inverno
santos do dumond suou ontem: vê se quis um tostão?

galgar as gavetas grávidas de gravetos e deixar as
goelas magras das moedas do inferno

(to be continued)