Poesia das dez coisas


Olhando p´ra ti

vejo tudo que não

das coisas que são

a poesia

pra ser poesia

o que nela haveria

diz tudo de si

olhando p´ra ti

daí para mim você riria

se algo disso de um tempo

de mais um tempo p´ra cá

não se falaria...

e no retorno de um sim

se abolisse o pecado

p´ra fazer da poesia algo de nós

e vir em nós

até uma coisa

que desdobrando-se dela

nasceria

dentre as nove

que se vejam morridas

morrer de sede

de fome, morrer

morrer de sono

morrer da tristeza daquela partida,

de tanta saudade

morrer da chegada das coisas em seu tempo preciso

morrer de morte

matada

de morte morrida

morrer da morte

inventada

morrer de vontade

de escrever

poesia